sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Sacolas biodegradáveis salvarão nosso planeta?


A partir da próxima quarta-feira (25), o consumidor não vai encontrar mais a tradicional sacolinha plástica nos supermercados de São Paulo. Por isso, 37 milhões de pessoas no estado terão de mudar o hábito na hora de levar as compras para casa.

Quando temos essas leis que determinam a mudança do uso de um produto para outro sempre surge aquela desconfiança, será que isso está sendo feito para o bem de nosso planeta ou apenas por interesses de algumas empresas que podem se beneficiar com essas leis?

A prejudicada será a Industria de Sacolas Plásticas, porém há muitas empresas que irão lucrar muito com essa lei.

Bom, explicando um pouco as consequências para o mercado que essa lei trará, logo de cara vemos um superbeneficio para as empresas fabricantes de sacolas biodegradáveis (Pano, Lona, Papelão, Reciclados de papel, etc), assim como as empresas fabricantes de caixas de papelão e fabricantes de cestas em geral, pois com a eliminação das tradicionais sacolas de plásticos, a procura direta por esses produtos irá crescer.

Outra consequência, indireta, é o aumento da demanda por sacos de lixo (plásticos), pois a maioria das pessoas tem o costume de reutilizar as sacolinhas de supermercado na lixeira, e agora com a falta desse produto haverá um aumento da procura pelos sacos de lixo que,  pelo mesmo argumento das sacolas plásticas, não fazem bem ao meio-ambiente. 90% dos brasileiros reutilizam as sacolas plásticas para algum fim e essa mudança fará com que eles adaptem outros produtos para esses fins o que levará lucros para os fabricantes desses novos produtos.

Eu acredito que o problema das sacolas plásticas não está no produto em si e sim na consientização de todos os envolvidos:

Fabricantes de Sacolas Plásticas: Quase nenhum fabricante dessas sacolas as produzem dentro das normas da ABNT, ou seja, sacolas fortes, capazes de sustentar até 6 kg de produtos, que podem ser reutilizadas para diversas funções sem rasgar e sem serem descartadas diretamente na natureza.

Supermercados: Compram sacolas mas finas (fora das normas técnicas) para gastar menos o que faz com que os consumidores coloquem duas, três sacolas para carregar os produtos mais pesados, causando assim o desperdiço dessas sacolinhas.

Consumidores: Falta conscientização, os consumidores descartam as sacolas em qualquer lugar, não respeitam as oportunidades de reciclagem, de coleta seletiva e acabam jogando na rua, nos rios, etc.

Órgãos Públicos: Governos e Prefeituras não são capazes de coletar seletivamente os produtos recicláveis e muito menos de criar campanhas eficazes de conscientização para a população saber lidar com esse problema.

A Solução
Ao invés de criar soluções práticas e objetivas, colocar nas escolas programas sobre sustentabilidade, falar com a população, treinar os profissionais envolvidos, foi preferido eliminar o produto, sem pensar muito nas consequências que essa mudança poderá acarretar e assim privilegiando empresas interessadas nessa nova lei.

Consequências
Pensando rapidamente sobre o que pode acontecer de ruim com a eliminação das sacolinhas plásticas eu vi que o lixo poderá ser um grande problema, pois no tempo em que não existia o saco plástico, mais ou menos na década de 70, o lixo era colocado em tonéis de metal. Creio que as pessoas mais pobres vão fazer isso, pois as novas alternativas não são tão baratas. Nessa época, depois que o caminhão do lixo passava e levava os dejetos e deixava o tonel na calçada, as pessoas precisavam lavá-lo com a mangueira, daí vinha o desperdício da água.
Depois essa água da lavagem ia para o esgoto, que fedia e fazia com que aparecessem ratos, baratas e outras pragas urbanas.

ARGUMENTOS A FAVOR DA NOVA LEI
Veja o que dizem os argumentos de quem é à favor da nova lei:
  • As sacolinhas demoram até 400 anos para desaparecer do planeta
  • Entopem bueiros, sujam a cidade, poluem rios, contaminam o solo e ocupam espaço nos aterros sanitários
  • São responsáveis pela morte de animais por sufocamento
  • Apesar de ser usada para acondicionar lixo dentro de casa, não são apropriadas para receber lixo úmido ou molhado. O ideal é usar sacos para lixo.
  • Se 1 bilhão de sacolas plásticas deixadas de serem produzidas por mês, reduzem 4.500 toneladas de lixo que equivalem ao plantio de 81.000 novas árvores da Mata Atlântica. (não entendi essa relação)

ARGUMENTOS CONTRA A NOVA LEI
Do ponto de vista ambiental, os estudos mostram que as sacolas plásticas são a melhor alternativa em termos de análise de impacto ambiente. Recentemente foi divulgado um estudo em inglês, pela Agencia Ambiental Britânica, que mostrou que de nove categorias ambientais avaliadas, levando em consideração diversas modalidades, como sacolas comuns,
biodegradáveis, oxidodegradável, saco de papel... Dessas nove categorias ambientais avaliadas, as sacolas comuns tiveram vitórias em oito, pois são elas que possuem a menor emissão de CO², que é o gás que provoca o efeito estufa. São essas sacolinhas que consomem menor quantidade de matéria prima para serem fabricadas

A BIODEGRADAÇÃO
A biodegradação seduz muito a população. Mas muitos não sabem o que é essa biodegradação, que é uma matéria que pode ser feita do amido de milho, por exemplo, como também de qualquer matéria orgânica, no qual vem um micro-organismo e come ela. Como já dizia o ditado, “na natureza nada se cria, tudo se transforma”, e assim acontece. O micro-organismo depois de comer, o organismo dele processa e emite gases, que são o CO² ou o metano, que são os gases causadores do efeito estufa. Então, muitos pensam: “a sacola biodegradável some em 18 meses”, que é verdade, mas ela causa uma poluição, que é invisível à população. As sacolas biodegradáveis para não causarem esses males teriam que ser levadas para uma usina de compostagem, que não existe aqui no Brasil.


O QUE É POUCO DIVULGADO
Hoje em dia as pessoas acham que as sacolas biodegradáveis são melhores pois elas somem do meio ambiente em até 18 meses, então que não há problemas em descartá-las nas ruas, rios, na natureza.
Porém essa prática anão irá adiantar de nada para o meio-ambiente, pois alguns problemas, sérios e que servem de argumentos para os ativistas, irão continuar. Como a morte por sufocamento dos animais.
Além disso, a solução da biodegradação não está completa.
Por isso, a Associação Européia de Recicladores de Plástico lançou um alerta. Porque se houver a ilusão de que o plástico biodegradável pode manter a prática de uso e descarte das sacolas tal como ocorre hoje, ele pode fazer mais mal do que bem ao ambiente. Primeiro, por manter o volume de lixo. Segundo, porque para se tornar biodegradável, esse novo plástico contém metais pesados, como chumbo – em doses minúsculas, individualmente, mas que podem causar um problema ambiental sério, se em uso massivo. A entidade advertiu que esta nova matéria-prima precisa ser bem administrada – tanto em sua quantidade, como em sua destinação. Em um aterro, com baixo índice de sol e oxigênio, esse plástico não se degrada. Com o frio, o processo de decomposição se atrasa. Com muita umidade, ele pára.

Um outro aspecto a ser considerado é a quantidade de petróleo e energia necessários para se fazer uma sacola... para que ela se destrua?? 


OPINIÃO
A minha opinião está clara, eu sou CONTRA essa lei que demonstra interesses políticos e econômicos e preferia muito que todos estivessem preparados para cuidar do meio-ambiente ao invés de tenta eliminar o problema colocando a culpa em um produto, sem pensar nas consequências e sem fazer estudos suficientes sobre o real problema.

E você amigo leitor, o que pensa sobre o assunto? Deixe um comentário...

7 Comentários:

Responder

A solução são caixas de papelão esquema da Vai e Vem vendidas pela Embalagens Bandeirantes: http://www.fabricadeembalagens.com.br/71--confira-as-caixas-vai-e-vem-da-embalagens-bandeirantes-uma-solução-sustentável.html

Responder

Quero saber mais sobre o processo das biodegradáveis. Não li em nemnhum outro lugar sobre elas serem prejudiciais. Como professora, gosto de realmente não " comprar toda ideia passada pela mídia". Ressalto que independente da lei, devemos evitar pra começar o ato do consumo exageradoe o descuido com o descarte do material. Enfim, o problema é bem mais amplo.

Vilma

Responder

bando de ladroes, roubam o brasil destroem a natureza e quem paga a conta é o povo.

Responder

Tem o link deste estudo em inglês?
Obrigado.

Responder

primeiro de tudo devemos ter conciência do problema, para poder solucionar infelismente não temos aqui no Brasil um jeito de reciclar o nosso lixo sem precisar das sacolas plasticas mas seria a solução usarmos sacolas de papelão para compras e ser criado em cada cidade uma fabrica para reciclar o lixo e esquecer tirar para sempre as sacolas plasticas

Responder

Otimo post! Fala-se da sacola plástica como se ela fosse a vilã dos problemas ambientais, enqto que o maior vilão está na falta de educação do povo e na falta de interesse do governo em educar e investir em projétos ambientais realmente úteis. Educação é a base de tudo, más é mais fácil "proibir" o consumo do que educar para um consumo consciente e enqto isso vamos jogando tds os dias nos aterros sanitários, quilos e mais quilos de embalagens de shampoo, manteiga, hidratantes, pets, iogurtes, salgadinhos... Más a sacola plástica do supermercado é que o problema! ¬¬

http://dicasdeboaleitura.blogspot.com.br/

Responder

Eu não não conhecia esses dados trazidos pelo autor do post. E como leigo no assunto senti firmeza nos argumentos dele. O único caminho verdadeiro para aperfeiçoarmos não só a nossa forma de lidar com os resíduos sólidos mas principalmente a elevação moral e intelectual da sociedade é a educação.

Postar um comentário

Um bom blog não se faz pela quantidade e sim qualidade de seus leitores, só comente quando você realmente ler a postagem.

Deixe seu link no final do comentário caso queira me mostrar o seu blog, irei visitar, comentar e se gostar seguirei também.

Siga-me no Twitter: @c_hercules

TOP 10 POSTAGENS MAIS LIDAS

Receba nossos artigos por e-mail:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More