segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Pesquisa mapeia 530 “zonas mortas” em todo o mundo.

Problemas como excesso de fertilização do mar e pouco oxigênio deixaram uma área do tamanho da Nova Zelândia desprovida de peixes e outros seres marinhos.
Uma nova pesquisa realizada pelo World Resources Institute (Instituto de Recursos Naturais - WRI) e o Instituto Virgínia de Ciência Marinha (VIMS) identificou mais de 530 "zonas mortas" de baixa quantidade de oxigênio e 228 locais marinhos no mundo com sinais de eutrofização. A eutrofização ocorre quando corpos d’água são altamente fertilizados por nutrientes que são lavados para a superfície da água por fazendas e áreas urbanas.
Analistas do WRI e da VIMS compilaram informações na web-base, que fornece uma ampla base de dados e mapas interativos das áreas afetadas, juntamente com links para artigos, fotos e outros recursos. Até agora, “a falta de informação e monitoramento tem sido um grande obstáculo para a compreensão da extensão e os impactos das ‘zonas mortas’ e eutrofização em ecossistemas costeiros ", disse Mindy Selman, analista sênior da qualidade da água na WRI. "Este website é um passo importante porque compila as informações atualizadas em um local central para aumentar a consciência e oferecer soluções para controlar a poluição por nutrientes".

Uma característica importante do site é a seção de comentários para solicitar o feedback dos visitantes, que serão incentivados a fornecer atualizações para os mapas e bancos de dados dosconhecimentos das condições locais. As 530 áreas e os 228 locais, juntos, compreendem mais de 95.000 milhas quadradas, aproximadamente o tamanho de Nova Zelândia. A maior zona morta nos Estados Unidos, na foz do Mississipi, abrange mais de 8.500 milhas quadradas, aproximadamente o tamanho de Nova Jersey. Uma grande zona morta também está subjacente ao tronco principal da baía de Chesapeake, ocupando cerca de 40% da área da baía, e até cinco por cento do seu volume a cada verão.

O professor Bob Diaz, que conduziu a compilação dos dados da VIMS, disse: "Nos últimos 50 anos, os problemas relacionados com o excesso de fertilização do mar e pouco oxigênio dissolvido têm se expandido ao ponto de grandes áreas desprovidas de peixes, camarões e caranguejos serem ocorrências comuns. Estas zonas mortas, ou desertos de oxigênio, são muito prejudiciais para o ambiente e também às pessoas que dependem do mar para sua subsistência".

0 Comentários:

Postar um comentário

Um bom blog não se faz pela quantidade e sim qualidade de seus leitores, só comente quando você realmente ler a postagem.

Deixe seu link no final do comentário caso queira me mostrar o seu blog, irei visitar, comentar e se gostar seguirei também.

Siga-me no Twitter: @c_hercules

TOP 10 POSTAGENS MAIS LIDAS

Receba nossos artigos por e-mail:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More