quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Twitter confirma que sofreu bloqueio durante atos antigoverno no Egito

 

Site de microblogagem defendeu 'troca aberta de informações e opiniões'. Governo prometeu reprimir atos que causaram 4 mortes, mas eles seguem.

O site de microblogagem Twitter confirmou na noite de terça-feira (25) que seu site sofreu bloqueio no Egito, onde milhares de pessoas foram às ruas para protestar contra o governo de 30 anos do presidente Hosni Mubarak, de 82 anos.
Os protestos, no que os manifestantes chamaram de "Dia da Ira", terminaram em violência e quatro mortes, além de vários feridos e pelo menos 200 detidos.
O governo prometeu coibir novos protestos, mas eles seguiam nesta quarta no Cairo e em Suez, e houve novas confrontos entre manifestantes e polícia.



Acreditamos que a troca aberta de informações e opiniões beneficia sociedades e ajuda os governos a terem um contato melhor com o povo", escreveu a empresa de microblogs, ao confirmar a ocorrência do bloqueio do serviço.
O bloqueio havia sido anunciado por um site especializado nos Estados Unidos.

De acordo com o herdict.org, que monitora a acessibilidade de sites pelo mundo, era impossível usar o site de microblogs -que permite trocar mensagens de 140 caracteres no máximo- a partir do Egito.
O Twitter inicialmente não havia confirmado a informação.
Relatos no próprio Twitter nesta quarta-feira falavam que a rede social Facebook também estava bloqueada no país.
O site de microblogs, assim como a rede social Facebook, desempenhou um importante papel de transmissão de informações na revolta popular que causou a saída do presidente da Tunísia, Ben Ali, após 23 anos de governo.
Os protestos tunisianos inspiram a atual revolta egípcia contra o governo Mubarak, e entidades como a Juventude do 6 de Abril usaram a ferramenta para divulgar e organizar os protestos..

Governo alerta
O governo proibiu novos protestos e fez ameaças.
Mapa do Egito mostra as cidades em que ocorreram os principais protestos
Mapa do Egito mostra as cidades em que ocorreram os principais protestos
"Nenhum movimento provocativo ou reunião ou organização de marchas ou manifestações será tolerado, e medidas legais imediatas serão tomadas, e os participantes serão entregues às nossas autoridades investigativas", disse o Ministério do Interior, segundo a agência estatal de notícias Mena.
Apesar disso, os atos continuaram no Cairo e na cidade de Suez, com confrontos entre policiais e manifestantes. E ativistas afirmavam que manifestações continuariam ocorrendo em outras cidades do interior.

Repercussão
A bolsa de valores do Cairo abriu nesta quarta em forte baixa, e seu principal índice perdia 5% nas primeiras horas do pregão.
A imprensa independente egípcia destacou a magnitude dos protestos.
Manifestante protesta no Cairo nesta quarta-feira (26).
"Milhares de pessoas se manifiestam contra o poder, o desemprego, a inflação e a corrupção, e pedem a saída do governo", era a manchete do jornal Al Masri al Yom.
Outro diário, o Al Shoruq, afirmou em sua capa: "Egito em cólera toma as ruas".
"Um vulcão de ira entrou em erupção nas ruas do Cairo", escreveu.
A imprensa oficial, por outro lado, minimizou o impacto dos protestos.
No exterior, multiplicam-se os apelos por reformas no Egito, destacando-se o papel moderador do país no conflito árabe-israelense.
Para Catherine Ashton, chefe da diplomacia da União Europeia, as manifestações são um "sinal" do anseio de milhares de egípcios por uma "mudança política" no país.
"Milhares de egípcios se concentraram nas ruas do Cairo para expressar seu desejo de uma mudança política. A UE acompanha de perto estas passeatas (...), que são um sinal dos anseios de muitos egípcios, após os acontecimentos na Tunísia", declarou Ashton nesta quarta-feira.
Além disso, destacou que as autoridades egípcias deveriam "escutar" os manifestantes, "respeitando e protegendo o direito" do povo de "manifestar suas aspirações políticas através de passeatas pacíficas".
A Casa Branca disse que o governo egípcio deve ser "sensível" às aspirações da população, e afirmou que o presidente deve "levar a cabo reformas políticas econômicas e sociais".
A França lamentou as mortes ocorridas durante as manifestações, enquanto Israel disse esperar que a rebelião egípcia não influencie negativamente as relações entre os dois países.
O Egito foi o primeiro país árabe a assinar um acordo de paz com Israel, em 1979.
Cerca de 40% dos 80 milhões de habitantes vivem com menos de US$ 2 por dia, e um terço da população é analfabeta.


Visite a página Oficial do Blog Colunas de Hércules no Facebook | 

0 Comentários:

Postar um comentário

Um bom blog não se faz pela quantidade e sim qualidade de seus leitores, só comente quando você realmente ler a postagem.

Deixe seu link no final do comentário caso queira me mostrar o seu blog, irei visitar, comentar e se gostar seguirei também.

Siga-me no Twitter: @c_hercules

TOP 10 POSTAGENS MAIS LIDAS

Receba nossos artigos por e-mail:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More