domingo, 21 de fevereiro de 2010

Futebol está na moda no mundo dos negócios

Copa do Mundo dá força à expansão de lojas temáticas de futebol em 2010


Somente rede dedicada ao Corinthians pretende abrir 40 unidades.
De acordo com especialistas, torcidas são clientes fiéis

Rede Poderoso Timão
No ano passado, as lojas que vendem produtos para torcedores de futebol ignoraram a crise. O segmento se prepara para um forte crescimento em 2010, auxiliado não só pelo otimismo maior da economia, mas também pela Copa do Mundo da África do Sul, que deixará o esporte ainda mais em evidência.
Somente a rede Poderoso Timão deverá abrir mais 40 lojas até o fim do ano, de acordo com André Giglio, sócio-diretor da consultoria Francap, responsável pela gestão da franquia criada em parceria com o Corinthians em 2008. A rede fechou o ano passado com 60 lojas, todas na região Sudeste.

A vantagem de trabalhar com times específicos é que o torcedor costuma ser um cliente fiel. "O mercado de futebol é uma coisa mais perene. Quando eu tenho um torcedor, ele vai ser torcedor por muito tempo", diz o Giglio.

Na opinião do executivo, o avanço desse tipo de negócio reflete um amadurecimento dos hábitos de consumo do brasileiro. “Há algum tempo a gente ia comprar tênis para a escola e as opções eram um Bamba branco, um Rainha preto ou um Kichute e só. Hoje você tem muitas lojas com especialização maior e consumidores mais informados”, afirma o executivo.
Ricardo Forte, proprietário há 15 anos da Santos Mania e há cinco da Times Mania, dedicada a produtos do São Paulo, Corinthians, Palmeiras e Santos, diz que o mercado está aos poucos sendo descoberto. A rede mais antiga do empresário tem cinco lojas em Santos; a "novata" Times Mania tem quatro unidades e deve chegar a dez até 2014.

“Aceleramos a expansão em razão da Copa do Mundo e abrimos três lojas novas em 2009”, diz Forte, que prevê crescimento de 25% nas vendas em 2010. Para ele, os "bons ventos" começaram a chegar há cerca de cinco anos sobre o mercado de produtos futebolísticos, antes dominado pela pirataria.


Times Mania

Com a legalização do mercado, expande-se o portfólio de produtos oferecidos aos torcedores. Atualmente, são muitos os produtos vendidos no varejo – além tradicionais camisas, também são oferecidos itens como canecas, cuecas, lingeries e até anéis de diamante.

Para serem considerados "oficiais", os produtos precisam ter o selo de aprovação do clube. O empresário Fausto Barbieri Filho, proprietário da Naturali Sport, de Campinas (SP), conta que bateu na porta das diretorias de diversos times para licenciar roupas íntimas com motivos dos clubes.

Barbieri Filho, que compete no mercado de lingerie há mais de 17 anos, viu seu faturamento quadruplicar desde que adotou a estratégia, há dois anos. Em 2009, a receita da Naturali atingiu R$ 1,5 milhão.

Atualmente, ele fabrica cuecas e lingerie com estampas de times famosos, como Vasco, Flamengo, Fluminense, Botafogo, São Paulo, Portuguesa, Ponte Preta, Guarani, São Paulo, Inter e Grêmio.

Dinheiro aos clubes

Para conseguir a aprovação dos clubes, é preciso atender critérios como qualidade, escala e participação nas vendas. O G1 apurou que, em 2009, o São Paulo Futebol Clube faturou o equivalente a 10% da receita obtida a partir da venda de produtos licenciados nas lojas Sao Store, criadas pelo próprio time em parceria com a Reebok, em 2008

O objetivo da rede, segundo o vice-presidente de marketing do São Paulo, Júlio Casares, é vender produtos de valor agregado, mais difíceis de serem pirateados e que garantem uma maior receita.


São Store

Na capital paulista, a Sao Store tem unidades nos shoppings Paulista, Center Norte, Ibirapuera e na luxuosa rua Oscar Freire, referência em marcas de alto padrão. A estimativa de Casares é de que mais três sejam abertas este ano no interior do estado, e quatro fora de São Paulo até 2011.

Na Poderoso Timão, parte das vendas também enriquece o orçamento do clube. "Quem compra em uma das lojas [da Poderoso] está ajudando o time", garante Giglio.

Franquias

O diretor- executivo da Associação Brasileira de Franchising (ABF), Ricardo Camargo, diz acreditar que adotar o modelo de franquias para esse tipo de negócio é a forma ideal para acelerar o crescimento das redes, a exemplo do desempenho da Poderoso Timão.

“A tendência é que essas redes se convertam em franquias, até porque facilita trabalhar em cada estado, considerar os aspectos regionais”, diz Camargo. Ele prevê que a tendência é que o mercado de lojas temáticas de times de futebol se expanda mais rapidamente em cidades onde estão localizados clubes mais “fortes”, como São Paulo, Porto Alegre, Rio, Salvador e Recife.

Para Camargo, outros eventos podem fortalecer o mercado, como a confirmação dos rumores de que World Tennis, por meio de seu controlador, o grupo Vahrcav, negocia a compra da Roxos e Doentes, rede de lojas especializada em artigos de vários clubes nacionais e internacionais de futebol. "Isso daria estrutura e metodologia [da World Tennis] para ampliar o negócio da Roxos mais rapidamente."


COMENTE !!!
 
Apoio:

0 Comentários:

Postar um comentário

Um bom blog não se faz pela quantidade e sim qualidade de seus leitores, só comente quando você realmente ler a postagem.

Deixe seu link no final do comentário caso queira me mostrar o seu blog, irei visitar, comentar e se gostar seguirei também.

Siga-me no Twitter: @c_hercules

TOP 10 POSTAGENS MAIS LIDAS

Receba nossos artigos por e-mail:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More