quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Mercados veem Brasil como a próxima superpotência, diz Nobel de Economia

Paul Krugman diz que excesso de confiança pode prejudicar o país.

Para ele, é preciso combater euforia e dizer: 'Não amem tanto a gente'.

O Brasil se saiu melhor que o resto do mundo na crise, mas a euforia com a economia nacional, que vem atraindo o capital estrangeiro, pode prejudicar o país, segundo o ganhador do prêmio Nobel de economia da 2008, Paul Krugman, em entrevista nesta quarta-feira (2), em São Paulo.
“Está na hora de dizer: ‘Estamos melhores do que estávamos, mas não tão bem assim. Não amem tanto a gente’”, disse ele. De acordo com o vencedor do Nobel de Economia, a taxação dos investimentos externos não surtiu o efeito esperado, e o país deve buscar alternativas para estancar o fluxo de investimentos.

 
Segundo Krugman, o Brasil está indo bem e tem uma boa história. “Mas não é [o suficiente para] dizer que vai se tornar uma superpotência no próximo ano. E os mercados estão agindo como se fosse”, diz o colunista do "The New York Times".

Perigos da 'euforia'


 
Para o economista, a euforia dos investidores externos com o Brasil não é saudável e pode gerar reflexos negativos. Ele lembrou os casos da Argentina, que em 1993 era a “grande revelação” da economia, entrando em crise pouco depois, e os casos do sudeste asiático e da Europa oriental, que passaram por problemas semelhantes.

 
“Nós já vimos esse filme vezes o suficiente. Vocês não querem ver isso acontecer com vocês”, afirmou. “Os mercados estão perdendo o contato com a realidade”, afirmou. “O real me parece muito valorizado, a um nível que é difícil justificar. É difícil dizer que faz sentido [a atual cotação da moeda frente ao dólar]", frisou.

 
De qualquer forma, ele afirma que a economia brasileira se saiu bem diante dos problemas enfrentados pelo mundo todo: "O Brasil é uma história feliz."

 
Desemprego nos EUA


 
Questionado sobre o futuro da crise, Paul Krugman disse acreditar que a fase “apocalíptica” já acabou. Ele disse, porém, que haverá mais choques e problemas, “mas não são coisas do fim do mundo”.

 
Em relação ao desemprego nos Estados Unidos, no entanto, o pior ainda está por vir. Krugman projeta uma taxa de desemprego para 2010 semelhante à atual, em torno de 10%, apesar da recuperação do Produto Interno Bruto (PIB), que pode crescer em cerca de 2,5% no próximo ano. “Precisamos fazer algo a respeito (do desemprego). É a grande questão agora. Quanto a isso, a crise não terminou, ela ainda continua”, diz ele.

 
Parte do problema, afirma, é consequência de um plano de estímulo fiscal “muito pequeno”, cujos efeitos já estão se esgotando. “O crescimento que nós temos [os EUA saíram da recessão no terceiro trimestre deste ano] é de estoques e do estímulo fiscal. Mas isso não é uma fonte duradoura de crescimento. O estímulo já teve seu grande impulso na economia. Teríamos que ver uma grande recuperação no consumo, não vemos outras fontes de crescimento aparecendo."

Não esqueça de Comentar, pois a sua opinião é muito importante para nós



Rede Social para Empreendedores Brasileiros
Clique AQUI para entrar na Rede.

Apoio:








0 Comentários:

Postar um comentário

Um bom blog não se faz pela quantidade e sim qualidade de seus leitores, só comente quando você realmente ler a postagem.

Deixe seu link no final do comentário caso queira me mostrar o seu blog, irei visitar, comentar e se gostar seguirei também.

Siga-me no Twitter: @c_hercules

TOP 10 POSTAGENS MAIS LIDAS

Receba nossos artigos por e-mail:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More