O Valor de uma Ideia Genial

Você já teve alguma idéia genial?

Mundo: A Farsa do Crescimento Chinês

Parece cena de seriado, as cidades fantasmas que a China levanta para manipular o PIB do país

Luxo: Conheça tudo sobre a casa mais cara dos Estados Unidos

A vida das pessoas mais ricas do mundo estão aqui no blog para você conhecer de perto.

Mc Donalds

A história da maior e melhor rede de fast food do mundo.

Tecnologia

Conheça tudo o que tem de mais inovador no mundo da tecnologia.

Brilhante Laços

Fábrica de laços e acessórios para cães e gatos.

Patrocinadores

Conheça nossos pacotes e promoções para anunciantes, e leve seu negócio para os milhares de leitores do blog.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Passeio na mansão de Bill Gates sai por US$ 35 mil

A Microsoft fez um leilão para levantar fundos para caridade e um dos ítens com lance mais alto foi uma visita à casa de Bill Gates, em Medina, estado de Washington, nos Estados Unidos. Para passar um dia com Gates, levar uns amigos e ainda ser guiado pelo próprio fundador da Microsoft, o vencedor gastou US$ 35 mil (equivalente a R$ 59,9 mil).



As informações foram divulgadas em um encontro em Seattle pelo CEO da Microsoft, Tony Scott, e publicadas pelo blog Techflash.

A mansão de Gates é chamada de "Xanadu 2.0" e, controlada por Windows, tem recursos de personalização de temperatura, música e iluminação de acordo com o gosto do visitante, que usa um dispositivo de localização - um pin que recebe ao chegar à casa.

Segundo o Techflash, o alto lance pela visita à casa na beira do Lago Washington mostra sinais de recuperação da economia, já que em 2008 o maior lance foi de US$ 8,6 mil (equivalente a pouco mais de R$ 14,7 mil).
--
Não esqueça de Comentar, pois a sua opinião é muito importante para nós





Rede Social para Empreendedores Brasileiros
Clique AQUI para entrar na Rede.
-----------------------------------------------------------
Apoio:



Inovação no Varejo

“Nós vamos travar as nossas batalhas não na estrada baixa da comoditização, mas sim na via elevada da inovação.” Howard Stringer , CEO da Sony.


Na minha opinião o varejista brasileiro é muito bom de balcão e muito ruim de back office. Ainda falta muito no que diz respeito à gestão, tecnologia, no que está por trás de toda uma venda. Assim falta planejamento para inovar, deixar um pouco a tradição de lado e olhar mais para as mudanças da economia mundial, as necessidades e o perfil da clientela e as oportunidades em tecnologias que batem à sua porta.

E inovar é uma busca por melhores respostas superar desafios e quebras de paradigmas para solucionar um problema ou melhorar resultados frente àconcorrência existente em seu setor.

“Inovação implica na criação, implantação e adoção de algum produto, serviço, processo ou modelo de negócio novo.”

É possivel inovar dentro de qualquer empresa?

Sim, até a líder de mercado que alcança resultados supreendentes inova, basta investir em gerencia e criatividade, olhar os problemas e resultados negativos de tantos pontos-de-vista quanto possível, analisar ofertas de soluçoes existentes no mercado e implementar na sua empresa aquilo que falta para ela decolar.

VAREJO

Como todos sabem eu adoro esse setor, trabalho nele, desenvolvo tecnologias para ele, e acredito que esse é o setor mais "problemático" entre todos.
Pois nõ há muita inovação, seuqer há muita tecnologia implantada no setor, poucas mudanças ocorrem em décadas.
Do famoso ranking da Fast Company, que lista as empresas mais inovadoras do mundo, podemos tirar as varejistas presentes no top 50:

1- Apple (4a ranking geral) : Obviamente inovadora, em seus produtos e conceitos ímpares. Design é a palavra chave das apostas da empresa.
2- Amazon (9a ranking geral)
3- Zappos (20a ranking geral)
4- Nike (27a ranking geral)
5- WalMart (33a ranking geral)
6- Lego (41a ranking geral)
7- Etsy (44a ranking geral)

O que elas têm que as outras não têm?

Os executivos focados na busca por uma inovação de forma ampla para possibilitar renda e crescimento. E mais: foco em valor. As pessoas não tem mais tempo para o que não traz valor.
Algumas medidas que visam (ou visaram) à inovação no varejo e estão relacionadas a essa linha de pensamento , assim como de Ênio Garbin, da IBM:

- uso de rádio frequência permitiu inovar em toda cadeia de valor, da fabricação até a gôndola;
- gôndolas inteligentes
- venda assistida eletronicamente
- mídia digital
- melhor conhecimento do próprio cliente
- ser multicanal – estar em diversos pontos de relacionamento
- e-commerce, mobile-commerce, social-commerce

Case

Presente no Inovarejo 2009, o Colunas de Hércules separou um exemplo interessante que pode ajudar nas estratégias de inovação da sua empresa. A Serasa Experian apresentou no evento uma novidade chamada HitWise. Trata-se de uma ferramenta de inteligência online que serve para conhecer melhor o consumidor de qualquer empresa. Para se ter uma ideia, ela é capaz de monitorar a interação de 100 mil usuários com 60 mil sites.
O perfil do consumidor mudou totalmente e algo que as empresas devem perceber é que não é mais a empresa que define o que esse cliente quer. Ao mesmo tempo que esse mesmo consumidor, hoje, pode e tem que estar em 2 ou 3 lugares ao mesmo tempo. Isso só é possível com mecanismos online.

Por isso, é importante entender por onde essa pessoa percorre na web, qual o padrão dela ao navegar, o que ela procura? “O consumidor deixa pegadas quando trafega pela internet.”, diz Juliano Marcilio, presidente da Unidade de Nogócios Marketing Services da Serasa Experian e uma das cabeças por trás do HitWise.
Ele conta uma curiosidade sobre a busca pela palavra “geladeira” na web. É possível acreditar que uma das palavras mais associadas à geladeira é adesivo? Mas é sim. Parece bobo, mas Juliano vai além quando explica que por uma simples análise é possível perceber que está virando tendência ter geladeira adesivada em casa. E ele faz a pergunta-chave: “Quem está vendendo esse produto assim tão customizado hoje? Ninguém. Porque ninguém sabe que essa é uma necessidade nova de um cliente novo.”

--

Não esqueça de Comentar, pois a sua opinião é muito importante para nós








Rede Social para Empreendedores Brasileiros

Clique AQUI para entrar na Rede.

-----------------------------------------------------------
Apoio:



Casos de Sucesso

Como reproduzir no papel a cor exata de um batom? A resposta dos irmãos Hadade originou uma empresa de R$ 45 milhões.




Dois irmãos cariocas dispostos a trocar empregos estáveis pela aventura de ter um negócio próprio, num setor inexplorado. Assim começa a história de Marcus e Alexandre Hadade. Eles são jovens empresários – mas com bagagem considerável no mundo dos negócios – que, a partir deste mês, assumem o papel de embaixadores informais do empreendedorismo no Brasil, sob a chancela do Instituto Empreender Endeavor. A ideia da ONG – uma multinacional sem fins lucrativos que oferece apoio formal a empreendedores de 12 países emergentes – é que, aos poucos, os expoentes desta nova geração assumam o papel que nos últimos anos coube a ícones do capitalismo à brasileira, como Pedro Passos, da Natura, e Luiza Helena Trajano, do Magazine Luiza. A simbólica passagem do bastão acontece durante a Semana Global do Empreendedorismo, que deve movimentar 1,5 milhão de pessoas em 90 países entre os dias 16 e 22 de novembro. Conheça a seguir a história dos Hadade.


Nem todo batom que reluz em vermelho é, de fato, vermelho. Ele pode ser ligeiramente alaranjado. Era isso que as clientes da Natura percebiam quando faziam uma encomenda por catálogo e, ao receber o produto, notavam que ele não tinha exatamente o tom escolhido. A falha estava na conexão entre a tonalidade apresentada na tela do computador, quando o catálogo estava sendo produzido, e a mistura de cores na gráfica, na hora de imprimi-lo. Os irmãos Alexandre e Marcus Hadade viram nessa discrepância uma oportunidade de negócio. E decidiram buscar uma solução que garantisse que o que os olhos veem no papel seja exatamente igual à cor real do produto. O resultado foi um sistema de gerenciamento de cores até então inexistente no país. Em dez anos, a empresa que montaram, a Arizona, tornou-se uma das maiores no mercado de pré-impressão.


Para tocar o negócio, Marcus abriu mão de um emprego estável, como gerente regional de vendas de uma fabricante de eletroeletrônicos. “Como você vai abandonar uma carreira promissora, em uma empresa grande, para tocar uma fábrica de fundo de quintal?”, era o que ele mais ouvia quando tomou a decisão. Era final da década de 90, e os irmãos identificavam um vácuo entre as gráficas desconhecidas e baratas, mas com serviço precário, e as renomadas, de alta qualidade, porém mais caras. Veio daí a ideia de atuar entre os extremos, aceitando pedidos menores, com um preço intermediário. Quando saiu do emprego e começou a trabalhar só na Arizona, Marcus sacou um velho caderno de contatos. “Sempre fui muito envolvido com pessoas, desde o tempo de faculdade”, diz. “Então ligava e, na cara de pau, perguntava: ‘o que você imprime aí na sua empresa?’, ‘O que compra de material impresso?’, ‘Vamos tomar um café e conversar?’.”

Pouco a pouco, foi brotando uma carteira de clientes, que hoje inclui mais de 100 agências de propaganda e empresas como Natura e Mitsubishi. Um passo mais recente foi inovar na automação de processos de comunicação e marketing. Um exemplo? Para autorizar os anúncios veiculados em diferentes partes do país por qualquer uma das 88 concessionárias da marca, a Mitsubishi precisava aprovar cada peça separadamente. Uma plataforma desenvolvida pela Arizona criou leiautes personalizados, com os quais a concessionária pode escolher entre as diversas peças e alterar detalhes como endereços e preços. A aprovação é feita digitalmente. Em 30 minutos, executa-se um processo que levava até dez dias. O próximo passo será internacionalizar as operações. A meta é que, em cinco anos, metade do faturamento – hoje em R$ 45 milhões anuais – venha de fora.

--
Não esqueça de Comentar, pois a sua opinião é muito importante para nós





Rede Social para Empreendedores Brasileiros

Clique AQUI para entrar na Rede.

-----------------------------------------------------------
Apoio:



sábado, 21 de novembro de 2009

Business Brasil, uma Rede Social para Empreendedores Brasileiros

Seguindo os estímulos da Semana Global do Empreendedorismo eu criei uma Rede Social destinada aos empreendedores brasileiros.



Business Brasil tem como objetivo unir empreendedores do país e fazer com que seus negócios e projetos decolem, atraindo investidores, viabilizando idéias e desenvolvendo uma integração de pessoas com perfil empreendedor, abrindo portas para futuras parceiras e novos negócios criados.

Crie o seu perfil na Rede Social Business Brasil clicando AQUI e interaja com outros empreendedores brasileiros.

-----------------------------------------------------------
Apoio:



sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O sonho do negócio próprio - Bota pra Fazer

Ter um negócio próprio é o sonho de muitos brasileiros. Entretanto, o sucesso sempre virá acompanhado de sacrifício e muito trabalho. Você deve amar muito seu projeto, pois irá dedicar uma boa parte do seu tempo a ele.


Entretanto, converter este sonho em realidade, requer um cuidadoso planejamento cujo objetivo principal é  construir um negócio lucrativo.
Um bom planejamento irá ajudar muito quando os primeiros obstáculos surgirem. Esse post vai tentar te ajudar a conquistar esse sonho.


Ter um negócio próprio

Ter o proprio negócio não é para todos, é para empreendedores, sonhadores que querem mudar o mundo, sua vida e tem um ideal diferenciado dos padrões conhecidos por todos.

Ser o próprio patrão é a mesma coisa do que assumir que quanto mais você trabalhar, mais lucros serão gerados para você mesmo, seu faturamento está em suas mãos, o potencial de crescimento é bem maior do que se você fosse funcionário de alguma empresa.

O empreendedor vê um novo negócio como uma aventura, apresenta riscos que vale a pena para alcançar objetivos, desafios constantes e oportunidades de aprendizado até nos "fracassos"decorrentes.

Fracassos?


O sucesso nunca é automático, não tem garantia e não é baseado na sorte. O sucesso não é para sortudos, é para sonhadores dedicados, depende, principalmente, da capacidade de organização e de previsão do empreendedor.

Abrir um novo negócio é sempre uma atividade de risco e as chances de sucesso são pequenas, ainda mais no Brasil onde não existe investidores de verdade, há muitos impostos, poucas políticas voltadas para o empreendedorismo, rejeição cultural a produtos nacionais, entre outros fatores que dificultam a vida do empreendedor. Segundo algumas pesquisas mais de 50% das pequenas empresas fracassam no primeiro ano de vida e 95% fracassam nos primeiros cinco anos.





As razões abaixo não são para assustar e sim para alertar que esteja preparado para o caminho árduo que irá trilhar. Subestimar a dificuldade em iniciar um negócio é uma das grandes barreiras para o sucesso. Entretanto, você poderá alcançar o sucesso se for paciente, estiver preparado para muito trabalho e seguir as etapas necessárias. Vejamos as principais razões de fracasso:

· Falta de experiência.
· Falta de capital (dinheiro).
· Localização inadequada
· Gerenciamento de estoque ruim.
· Investimento demais em ativos fixos.
· Negociações de créditos mal feitos.
· Uso pessoal dos recursos financeiros da empresa.
· Crescimento não esperado.
· Concorrência
· Vendas baixas.

Eu tenho uma Idéia

Todo novo empresário sonha em lançar um produto que seja uma novidade, ousada, fruto de sua inteligência e criatividade, que irá melhorar a vida das pessoas e revolucionar o mundo gerando muito dinheiro para o dono da idéia. Ele conhece e se baseia nas histórias de empresários que ficaram ricos com uma boa idéia, Bill Gates, Steve Jobs... Esquece, entretanto, que a maior parte das empresas morrem em seu primeiro ano de vida e que o número de fracassos é extremamente maior que o número de sucessos.

Se você pensa em ter seu próprio negócio baseado em experiências que já deram certo, tudo bem é algo mais seguro, basta "copiar" o plano de negócios da maior empresa do setor que você pretende atuar, usar as mesmas estratégias de marketing, e agir, o resto ai sair por cadeia, pois o produto que irá vender já é conhecido pelos consumidores.




Isso gera lucros , com certeza, mas com o tempo você precisará inovar em algo, senão será engolido pela grande concorrencia, e entrará para aquela fatia dos 95% de empresas falidas.

Agora se você tem uma idéia inovadora, algo não existente saiba que as chances de dar errado são maiores, mas se der certo, ninguem irá te engolir, você se destacará e crescera absurdamente, porém o trabalho será em dobro para alcançar isso e os riscos nem se fale. E, para mim, ai que está a graça do empreendedorismo, a aventura de inovar e muda ro mundo , os costumes das pessoas.

Eu encontrei "cursos"de institutos que se dizem formadores de empreendedores que apioam somente a idéia de copiar um negócio já existente, eu acho isso um absurdo, eles dizem que não devemos inovar em primeiro momento, nem oferecer produtos novos...

Se fosse assim o mundo não estaria girando, não existiria coisas com ainternet, telefone, acho que nem a roda teria sido inventada. Nós seres humanos estamos aqui para evoluir e viver melhor, melhorar os alimentos e a medicina, a tecnologia e a economia. Inovação á a palavra-chave para o sucesso, nao tenha medo de inovovar e se destacar no mundo dos negócios, muitas portas estão esperando para serem abertas por você.

-----------------------------------------------------------
Apoio:



Tenho uma idéia e não sei o que fazer - Bota pra Fazer !

Olá, hoje vou dedicar o post às pessoas que possuem uma idéia em mente e acredita que daria certo, seria um sucesso, revolucionaria o mundo e, por final, renderia muitos lucros, mas não sabem como alcançar tudo isso partindo apenas de uma idéia que está indo par ao papel.





Bom, os caminhos são diversos para cada área, mas todos possuem alguns passos em comum, e são sobre eles que eu vou escrever.
Já considerando que a sua idéia realmente é viável e rentável, que você já fez um estudo sobre o setor de mercado que ela se encaixa, o comportamento do consumidor em relação à sua idéia, sobre os possíveis concorrentes, custos, planejamento de quanto tempo precisa para obter lucros, entre outros aspectos que só quem inventa algo consegue pensar, vamos pra o passo que é saber expressar todo esse projeto para alguém, seja esse alguém um investidor, um futuro sócio ou um potencial cliente.
Esse modo de expressar a sua idéia é convencionalmente feita através de um Business Plan. Um arquivo com certa lógica que venderá a sua idéia a quem você procurar.

Temos AQUI um post 100% dedicado à construção do Business Plan, então agora somente destacarei os principais pontos que devem aparecer no documento.

No Planos de Negócios deve aparecer o seu time, quem é a sua equipe que irá te ajudar na concretização de seu projeto. Deve estar aqui também em que mercado a sua empresa irá atuar, se há concorrentes, números e pesquisas do nicho que seu empreendimento irá explorar.

Claramente a parte mais importante é você explicar qual é o seu projeto, seu produto ou inovação, serviços, seja o que for que está empreendendo, descreva claramente TUDO sobre a sua idéia, como se estivesse vendendo um produto com mil e uma utilidades. Fale também sobre os custos, quanto de dinheiro precisa para por seus planos em ação, onde irá gastá-lo e como irá gerar receita para compensar os investimentos, estabeleça metas com prazos estimados.

Após criar o seu MARKETING, que é o plano de negócios bem elaborado, você deve saber quem procurar como parceria para dar um START em seu negócio.





Se você já possui capital suficiente para iniciar as atividades, procure o SEBRAE que te apresentará formas mais baratas para começar um negócio, além de oferecer-lhe cursos que ajudarão a organizar seu projeto, como controle de fluxo de caixa ou técnicas de vendas. Lá você também saberá a melhor maneira de formalizar a sua empresa, isso é muito importante para que você não seja derrubado pelos impostos por ter se enquadrado em uma categoria errada.

Agora se você ainda não tem capital para o seu projeto, você está diante de uma enorme barreira que muitos empreendedores encontrar pra “pular”. Existem várias formas de conseguí-lo, seja através de créditos bancários, capital venture, familiares, etc. Mas não é tão simples quanto na teoria, pois você acredita em seu projeto, sabe, tem a certeza de que ele gerará lucros, agora um investidor traalha com estatísticas, e infelizmente, no Brasil, elas não são muitos agradáveis, pois aqui, 8 em cada 10 empresas “morrem”em menos de dois 2 anos de existência.

Os bancos até emprestam, mas fazem muitas exigências. Em alguns casos se você faz um plano de negócios e leva até um banco pode ser que você consiga esse capita de giro inicial. O Sebrae oferece gratuitamente palestras de como levantar empréstimos em bancos oficiais para montar negócios, mas como eu disse, não é tão fácil como na teoria.

Mas o segredo é NUNCA DESISTIR, será necessário levar mil “Não” para se conseguir um “Sim”.

AQUI você encontra também muitas informações sobre empresas de fomento, Start Up, Capital Semente, Capital Venture, etc.

Porém o Brasil ainda não está preparado para o empreendedorismo, é muito complicado conseguir bons investimentos aqui. A maioria das empresas que conseguem são aquelas que já faturam bilhões por ano.

Aqui nós preferimos investir em soluções que já deram certo lá fora, ou seja, pagar mais caro importando produtos e serviços, do que investir no potencial empreendedor nacional e a longo prazo baratear nossas tecnologias e quem sabe até exportar mundo a fora.

É dificil padronizar meios de abrir um novo negócio, pois como eu disse no inícil, existem várias formas específicas para cada idéia, cada setor do mercado, cada público, etc.

Euestou preparando um post para aquela que eu considero a mais complicada, para pessoas que tem uma grnde ideia, sabe com fazer, sabe o que precisa, mas não tem um centavo no bolso, geramente são jovens geniais, mas que ainda estudam, ou trabalham e ganham pouco para poder abrir um negócio.
E os investidores não enxergam essa oportunidades batendo na porta, e o pior, muitas vezes esses jovens não sabem nem onde ficam as portas dos investidores....

Espero concluir até sabado esse post pois eu sei que há muitas pessoas que estão querendo saber como conseguir levar seu projeto a topo sem ter um "puto" no bolso.

-----------------------------------------------------------
Apoio:



quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Bota pra Fazer - Perfil Empreendedor


Você acha que para se tornar um empresário de sucesso é necessário ter um grande idéia? Inventar um produto revolucionáro?
Não, isso não basta e nem é a prioridade para alcançar o sucesso empreendendo. A idéia, as vezes nem precisa ser tão grandiosa, e mesmo se for, não é o suficiente.
Boas idéias são comuns a muitas pessoas. A diferença está naqueles que conseguem fazer as idéias transformarem-se em realidade, isto é, implementar as idéias. A maioria das pessoas fica apenas na "boa idéia" e não passa para a ação. O empreendedor passa do pensamento à ação e faz as coisas acontecerem. Esse é o maior diferencial do perfil empreendedor.



Todo empreendedor tem uma verdadeira paixão por aquilo que faz. Paixão faz a diferença. Entusiasmo e Paixão são as principais características de um empreendedor!
Ele é aquele que consegue escolher entre várias alternativas e não fica pensando no que deixou para trás. Sabe ter foco e fica focado no que quer.

O empreendedor tem profundo conhecimento daquilo que quer e daquilo que faz e se esforça continuadamente para aumentar esse conhecimento sob todas as formas possíveis,  nunca desiste e tem alto grau de auto-confiança, acredita em sua capacidade de alcançar o sucesso.

Para o empreendedor não existe fracassos. Ele vê os "fracassos" como oportunidades de aprendizagem e segue em frente. Ele usa e abusa de sua imaginação, imagina-se sempre vencedor;

O empreendedor tem sempre uma visão de vários cenários pela frente. Tem, na cabeça, várias alternativas para vencer, vários caminhos e uma única certza: alcanár as suas metas na vida.
O empreendedor nunca se acha uma "vítima". Ele não fica parado, reclamando das coisas e dos acontecimentos. Ele age para modificar a realidade!


Agora que você já sabe, faça com que o espirito empreendedor tome conta de você e Bota pra Fazer !


-----------------------------------------------------------
Apoio:



Conheça as Novas Empresas Sociais

Semana Global do Empreendedorismo Bota Pra Fazer Você gostaria de ter o seu próprio negócio, mas ainda não tem uma idéia que te faça sentir seguro para arriscar? Talvez seja porque você está andando por um caminho errado.

A maioria das pessoas pensam em empreender através de projetos, produtos, planos de negócios convencionais, ou seja, aquelas empresas sem muitos diferenciais, com modelos padronizados, como abrir um comércio, uma empresa de internet ou inventar um novo produto.

Não são caminhos "errados", são válidos e podem dar certo sim, obtendo ótimo resultado e objetivos alcançados.

Porém as vezes essa tradição empresarial fica de lado. É o que está fazendo uma nova geração de empreendedores, que querem fazer algo pelas pessoas e ainda lucrar com isso. É a chamada empresa social,  não é uma ONG nem uma empresa convencional, é uma nova maneira de obter lucros ajudando as pessoas.

A Semana do Empreendedorismo - Bota pra Fazer.

De 16 a 22 de Novembro
Acontece a Semana Global do Empreendedorismo

Com a campanha Bota pra Fazer muitos empreendedores colaboram com a incentivo ao empreendedorismo
Esse movimento acontece no Brasil inteiro e em 90 países mundo a fora.




Como cadastrado no site da campanha, o Blog Colunas de Hércules irá dedicar a semana a temas relacionados ao empreendedorismo. Estrei online no CHAT do blog para debater, conversar e colaborar com quem precisar tirar dúvidas sobre novos negócios, ou qualquer assunto relacionado ao empreendedorismo.
O primeiro post irá mostrar algumas reportagens liberdas na internet pela G1 e canal Futura eo instituto Endeavor sobre a semana e empreendedores de sucesso
Começaremos por um caso de Sucesso mostrado através de um video feito pela campanha com os fundadores da rede Spoleto





Você amigo leitor, tem algum projeto na gaveta, alguma idéia empreendedora esperando que você crie "coragem"?
Está com um projeto em andamento, inovando para melhorar a vida das pessoas e ganhar muito dinheiro?
Compartilhe pra gente, podemos contar a sua história aqui e quem sabe conseguir parcerias e apoios para fazer acontecer os seus planos.

Bota pra fazer.

Não Esqueça de Comentar

-----------------------------------------------------------
Apoio:



segunda-feira, 9 de novembro de 2009

As empresas por trás do estádio do Morumbi

Um dos estádios de futebol mais conhecidos no país é também um grande gerador de receita para muitas empresas.



Estádio do Morumbi: Cada parte integrante desse empreendimento é um gerador de lucros.

Gramado

O próprio clube faz sua manutenção, mas para o grande palco continuar ativo no inverno uma empresa, de 40 funcionários, entra em ação, a WORLD SPORTS.
Isso ocorre, pois qunado abaixa a temperatura a grama utilizada tem mais dificuldade para crescer, necessitando então de semeadura.
Para o gramado do estádio são necessário aproximadamente 440 kilos de semente.

Assentos

Os 600 funcionários da DESK MÓVEIS ESCOLARES E PRODUTOS PLÁSTICOS em Araruama-RJ, trabalham pelo "conforto" (nem tanto) dos torcedores.
A empresa instalou os 20 mil assentos do setor VISA e deve colocar mais 50 mil em outros setores do estádio.
Agora haverão também poltronas estofadas, pois há mais exigencias da FIFA para o projeto da Copa de 2016.

Irrigação

São mais de 30 aspersores (equipamentos de irrigação) espalhados pelo campo.
A responsabilidade por instalar e manter o sistema funcionando é da REGATEC (distribuidora dos equipamentos norte-americanos da Rain Bird.)

Ingressos

A venda e distribuição dos ingressos são controladas pelo próprio São Paulo Futebol Clube.
Em um jogo da Taça Libertadores da América chgam a ser vendidos 50 mil ingressos.
A fabricação desses tickets é feita pela empresa DIMEP/GPS. Essa empresa também é responsável pelo GP de Fórmula 1 e pela Festa do Peão em Barretos - SP, eventos esses que chegam a movimentar 10 milhòes de pessoas em todo o país.

Números em Jogo


O quartel-general do São Paulo é uma máquina de renda
  • - 800 camisas oficiais são vendidas durante uma partida importante
  • - 50% a mais de vendas são registrados pela livraria Nobel do estádio nos dias de jogo
  • - R$ 8,8 milhões da receita do clube em 2008 vieram dos 50 camarotes patrocinados e das cadeiras cativas
  • - R$ 16,7 milhões foram arrecadados com as partidas no ano passado
Ginástica Tricolor

Na esteira dos investimentos para a Copa de 2014, o estádio vai inaugurar uma academia de ginástica da rede Cia. Athletica. Com 1.500 m2, a unidade se transformará em camarote VIP para alunos nos dias de jogos e de shows, com cobrança de ingressos à parte

Concept Hall

Ocupa um dos lados do anel inferior do estádio e funciona como um shopping. Durante os jogos tem acesso apenas pelos camarotes. O grupo atual de lojas conta com uma Livraria Nobel, uma Concept Store da Reebok e um bar, o Santo Paulo. Em projeto, há previsão de incluir restaurante e até cinema. Anexo ao Concept Hall está o Espaço Únyco, aberto para a realização de eventos. Funciona como um grande camarote-lounge e reúne cadeiras para 800 pessoas
 
-----------------------------------------------------------
Apoio:



sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Noteebook descartável, feito com papel reciclado.

Comentem !


Seguindo a ideia e tendência de criar soluções ecologicamente corretas, o designer Je Sung Park, inspirado nas câmeras fotográficas e celulares descartáveis, criou o primeiro notebook feito com papel reciclado. Como já é de se esperar, isto ainda é apenas um conceito, mas sem dúvidas seria uma boa para uma produção em série, já que os custos seriam relativamente baixos.




De acordo com o site Yanko Design, o notebook é feito por camadas de papelão que envolvem todas as peças do dispositivo.
Resta sabermos como ele vai lidar com a questão da alta temperatura que alguns processadores chegam…
-----------------------------------------------------------
Apoio:



quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Varejistas podem virar rivais de Redecard e Visanet


Os varejistas no Brasil sofrem muitos problemas. Possuem um baixíssima margem de lucro, em média, 1,8% do faturamento.
Qualquer economia em sua gestão é aceitável, pois os números os intimidam de uma maneira quase desesperadora, sendo necessário economia até em ítens básicos como papel e caneta.

Problemas com filas, perdas, congestionamento nas lojas, localização, baixa margem, etc, são apenas algunas dos muitos que o setor enfrenta desde sua existencia.

Existem alguma Tecnologias inovadoras que prometem mudar o setor e melhorar seus resultados, como o Sistema Evolua da brasileira Tora Tora. São soluções criadas para qualquer varejista, com custos praticamente "Zero" e que está prestes a revolucionar o setor.

Enquanto isso, cada nova notícia com a possibiidade de redução de custos para a varejo, é comemorada com fogos e champagne.

O que está  "bombando" agora é a a mudança na regulamentação do setor de cartões de pagamento, discutida pelo governo e o setor financeiro.
Agora, além dos bancos, as grandes empresas de varejo do país também estudam tornar-se credenciadoras da Visa e da Mastercard.




Eu tenho contato direto com muitos diretores e funcionários da Visanet Brasil, sediada logo atrás do prédio de nosso escritório-sede em Alphaville, Barueri-SP

A empresa passou recentemento por uma reformulação e está tentando agilizar alguns processos retomando atividades que antes eram destinadas à empresas terceirizadas, como no caso de certificação e homologação de hardwares e softwares.

O fato é: O setor está se movimentando, pois irá se transformar brevemente. Portas irão se abrir.

A questão trata-se do credenciamento, isto é, o serviço de habilitar os estabelecimentos comerciais para que possam aceitar os vários cartões de crédito e débito existentes. Hoje cerca de 80% desse mercado está nas mãos da Redecard, - que até pouco tempo era a credenciadora exclusiva da Mastercard -, e da Visanet, cuja exclusividade com os cartões Visa termina em junho de 2010. Mas as novas regras para o setor devem abrir espaço para que um número maior de empresas passe a atuar no credenciamento - o que abrirá espaço para o varejo.


Inicialmente os grandes varejistas do país estudam entrar nesse mercado para realizar o autocredenciamento. Um supermercado, por exemplo, teria de adquirir a licença para processar transações dos cartões Visa e Mastercard. Ao se tornarem credenciadores, os varejistas poderiam deixar de pagar para a Visanet e a Redecard. taxas pelas compras pagas com cartões das duas bandeiras. Seria, portanto, uma forma interessante de os comerciantes cortarem custos. Mas propostas mais ousadas podem desembocar em novas empresas credenciadoras, que sairiam a campo para brigar com os atuais líderes desse mercado. "Os grandes varejistas têm porte e capacidade de investimento para isso", afirma Álvaro Musa, ex-presidente da Credicard e sócio da consultoria Partner Conhecimento.

O mercado brasileiro de cartões conta com dois atores fundamentais. O emissor - em geral, um banco - é quem negocia com a bandeira (Mastercard, Visa, American Express, etc) a licença para lançar plásticos com o seu selo. Também cabe ao emissor definir que clientes poderão usá-los e qual será o limite de crédito, entre outros itens. Como ninguém quer um cartão que não é aceito em lugar nenhum, o credenciador também exerce uma função estratégica. É ele o responsável por ampliar e manter a rede de pontos comerciais que aceitam os cartões. Seu faturamento provém, primeiro, do aluguel das "maquininhas" onde o lojista passa o cartão do cliente para processar a compra. Conforme o modelo e o porte do comerciante, o aluguel sai de 100 a 150 reais mensais por máquina. Apesar de caro para os pequenos varejistas, esse item representa apenas 16% das receitas dos credenciadores. A maior fatia - 80% - é gerada pela taxa de desconto nas transações, que varia de 3% a 5%, segundo um estudo do Banco Central.

É claro que gigantes do varejo, como Pão de Açúcar, Carrefour, Walmart e Casas Bahia, conseguem pressionar os credenciadores e, assim, obtêm taxas menores de desconto - cerca de 2%, ou até menos. Além disso, os terminais que utilizam são múltiplos, isto é, aceitam todos os cartões, o que elimina a necessidade de alugar uma máquina para cada bandeira.

Na prática, muitos grandes varejistas já são autocredenciados, porque aceitam em seus estabelecimentos cartões de crédito private label. Mas, com o fim da exclusividade da Redecard e da Visanet para processar a Mastercard e a Visa, o que muda é a possibilidade de os varejistas pleitearem, diretamente com as bandeiras, uma licença para processar as compras pagas com cartões que contenham esse selo. Hoje, quando alguém paga uma compra com um cartão de crédito bandeirado nessas lojas, parte do valor - a taxa de desconto - é repassada pelo lojista ao credenciador. Eliminar essa taxa é o primeiro apelo do autocredenciamento.


Precisar o quanto essa mudança trará de economia para quem o implantar, no entanto, não é uma conta trivial. A maior dificuldade, segundo os especialistas, é determinar quanto as redes deverão investir em terminais de processamento, rede, pessoal e softwares para assumir uma função que hoje, afinal de contas, é terceirizada. Musa, da Partner, estima que seriam necessários 100 milhões de dólares para uma empresa sair do zero direto para brigar com a Redecard, e a Visanet. Mas, no caso de redes com sistemas de PDVs já implantado, como os grandes supermercadistas, a cifra pode cair para menos da metade. "É um investimento bastante viável para quem tem um elevado volume de vendas", diz. Os custos de manutenção do sistema, porém, ainda são incertos. Pela força com que negociam com seus fornecedores, grandes redes já contam com taxas de desconto mais baixas. Ao trocá-las por um custo fixo representado pela manutenção do sistema de credenciamento, é possível que o ganho seja marginal - ou inexistente. "O comerciante precisa fazer muita conta para saber se compensa mesmo entrar nisso", diz Boanerges Freire, especialista em varejo financeiro.

Para quem compensaria ?

Os especialistas não têm muitas dúvidas de que as grandes redes de supermercado são as candidatas naturais ao credenciamento, por contarem com um elevado volume de vendas pulverizado por um grande número de transações. Quem estaria mais adiantado nesse processo seria o Carrefour. A varejista, que lançou recentemente um cartão de crédito com a bandeira Mastercard, poderia ser a primeira varejista a se transformar também em credenciadora dessa mesma bandeira, já que a exclusividade com a Redecard. não existe mais. A seu favor, o Carrefour conta com um trunfo - possui uma administradora própria de cartões, em parceria com a Cetelem, o braço do banco francês BNP Paribas para o setor. Como o Carrefour não está vinculado a nenhuma das atuais credenciadoras, não haveria conflitos de interesse em apoiar os planos do Carrefour. O Carrefour ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Outros varejistas ainda precisam contornar possíveis conflitos de interesse com seus parceiros financeiros para se tornar autocredenciados. É o caso do Pão de Açúcar. Sua financeira, a FIC, é uma parceria com o Itaú Unibanco - o principal controlador da Redecard. Já a C&A, que também possui cartões private label, é parceira do Banco Ibi, hoje controlado pelo Bradesco. Isso não quer dizer que eles não possam se tornar credenciadores no futuro. O próprio Santander, que é acionista da Visanet, é cotado no mercado como um possível credenciador de Visa e Mastercard, assim como o HSBC.

Em alguma medida, deixar de lado as transações de grandes varejistas poderia até mesmo beneficiar a Redecard e a Visanet, que passariam a se concentrar em clientes com menor poder de negociação e, portanto, de onde poderiam extrair mais lucros. "Arrisco dizer que os credenciadores não sentiriam falta dos maiores varejistas, porque chegam a ter prejuízos com eles", afirma um especialista do setor.

O presidente da Redecard, Roberto Medeiros, diz que, apesar de os grandes varejistas serem responsáveis por cerca de 50% das transações processadas, essas empresas só representam 20% do lucro devido aos descontos que eles conseguem nas negociações. Um exemplo do poder de fogo dessas cadeias é o Sam's Club, o braço de "atacarejo" do Walmart. Atualmente, a rede só aceita cartões Hipercard, e vem pressionando os credenciadores das principais bandeiras para conseguir melhores taxas de desconto. "Se eu aceitasse, operaria no prejuízo", diz Medeiros, da Redecard. Agora, resta saber se os credenciadores resistirão ao mesmo poder de fogo dos varejistas quando eles mudarem de status para concorrentes.

-----------------------------------------------------------
Apoio:




Fontes: Tora Tora News, Revista Exame.

Warren Buffet faz sua maior aquisição

O fundo Berkshire Hathaway, do mega investidor, comprou a Burlington Northern Santa Fe por 44 bilhões de dólares



O fundo Berkshire Hathaway, controlado pelo mega investidor Warren Buffett, anunciou a compra da Burlington Northern Santa Fe, umas das maiores companhias ferroviárias dos Estados Unidos, por 44 bilhões de dólares. A aquisição é a maior já feita pelo fundo sob a gestão de Buffet.
O Berkshire Hathaway vai adquirir 77,4% dos papéis da Burlington Northern Santa Fe que ainda não detém por 100 dólares cada, e também concordou em assumir uma dívida de 10 bilhões de dólares.

"Isso tudo é uma aposta no futuro da economia dos Estados Unidos", afirmou Buffet sobre a negociação.

O bilionário acredita que a alta dos preços do diesel deve manter o transporte por ferrovias mais competitivo que o rodoviário.

Em tempos de verão e viajens, conheça a história da CVC.

A Agência de Viagens CVC, nasceu no dia 28 de maio de 1972 em Santo André, região do Grande ABC em São Paulo, da associação de Guilherme Paulus, ex-agente de viagens da tradicional Casa Faro Turismo, e do deputado Carlos Vicente Cerchiari (a sigla CVC provém das iniciais do nome), que perceberam uma grande oportunidade a ser explorada: democratizar o acesso às viagens para brasileiros de todas as classes sociais. Nascia o conceito de turismo de massa no Brasil.

Poucos anos depois, em 1976, a sociedade foi desfeita e a CVC passou a ser administrada apenas por Guilherme Paulus e por sua esposa, Luiza Paulus. Os primeiros resultados positivos não vieram logo no começo. Quando a sociedade foi desfeita, logo em seguida foi criado o depósito compulsório, que determinava um depósito de US$ 1 mil para quem viajasse para o exterior. Resultado: as viagens internacionais praticamente zeraram e o turismo interno quase não existia ainda. Essa foi primeira grande dificuldade enfrentada por Paulus. A CVC, então com quatro funcionários, entendeu que para consolidar sua atuação junto ao público consumidor seria fundamental inovar.

As férias estão chegando, aproveite o câmbio baixo para viajar.

Vai viajar no fim do ano? O Colunas de Hércules trás para você dicas de como usar a taxa de câmbio a seu favor





O dólar perto de R$ 1,70 nas últimas semanas começa a despertar o interesse de quem vai viajar no final do ano ou no início de 2010. O turista que quer aproveitar a taxa vantajosa tem algumas opções para garantir que seus gastos no exterior ficarão mais em conta, mesmo que a moeda norte-americana suba nos próximos meses.
Agora é a hora de fechar contratos de pacotes de viagens, segundo analistas de finanças. Em épocas em que o dólar estava cotado a R$ 2,30, por exemplo, ficava caro e difícil ir ao exterior. Agora está fácil.
Muitas agencias já estão oferecendo pacotes de viajens com a cotação atual do dólar para atrair clientes e facilitar as suas férias.


Um dos jeitos mais fáceis de o turista aproveitar o dólar barato é comprar pacotes cotados em dólar nas agências de turismo. Quem vai viajar em janeiro, por exemplo, pode fechar negócio agora e, normalmente, a conversão do preço para reais é feita no momento em que o contrato é assinado.
Assim, o turista garante a cotação do dólar atual no pagamento mesmo que a viagem ainda demore alguns meses. Outra vantagem é que, se o pacote for parcelado, no momento em que o contrato é fechado é calculado quanto ficará a parcela em reais – e ela não muda mais, mesmo que o dólar suba ou desça.

"Algumas agências usam cotação do dólar próximos a R$ 1,70 o que é muito vantajoso"

Na agência de viagens CVC, por exemplo, os pacotes internacionais e cruzeiros, mesmo os feitos dentro do Brasil, têm preço em dólar. A empresa usa uma taxa de câmbio definida por ela a cada dia, que é informada ao cliente nas agências e que, segundo a CVC, normalmente fica um pouco abaixo da cotação do dólar turismo.

Na quinta-feira (29), por exemplo, o dólar turismo fechou a R$ 1,83 e o dólar comercial, a R$ 1,73. No mesmo dia, a taxa usada pela CVC era R$ 1,80.

A TAM Viagens trabalha da mesma forma: a conversão é feita no momento da compra, usando a cotação do dólar turismo do Banco do Brasil. Uma vez definido o valor do pacote em reais, são calculadas as parcelas fixas em reais.
Para Crivelaro, que não vai comprar pacote ou quer garantir o câmbio para o dinheiro que será gasto em compras lá fora deve ir comprando dólares semanalmente, para não correr o risco de comprar tudo de uma vez e pegar um dia de cotação desfavorável.

Ele alerta também que quem vai para países que usam outras moedas além do dólar ou euro pode acompanhar na internet a cotação da moeda em relação ao real e ao dólar. Isso porque, dependendo do caso, pode ser mais vantajoso trocar reais pela moeda aqui no Brasil do que levar dólares para serem trocados pela moeda local ao chegar lá.
-----------------------------------------------------------
Apoio:



segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Veja como planejar seus gastos de fim de ano para entrar 2010 'no azul'

Especialistas mostram como equalizar compras e obrigações. Programe-se para as despesas do começo de ano e evite dores de cabeça.



Ainda faltam mais de dois meses para 2010, mas já é hora de fazer – e colocar em prática – a primeira promessa de Ano-Novo: pôr as finanças pessoais em dia. A estratégia pode ajudar você a começar o próximo ano com o pé-direito, e não correndo atrás do prejuízo.

Muita gente já tomou esse susto: gastou todo o 13º salário em presentes de Natal e na viagem das férias, e deixou para pensar depois nas contas do começo de ano – para só em janeiro perceber que não tinha folga no orçamento para bancar esses gastos.
“A gente sempre dá dicas sobre finanças pessoais mais em janeiro, quando as festas passaram, as pessoas já viajaram para a Disney no fim do ano. E esqueceram que tem que pagar os impostos, a matrícula da escola”, alerta Ricardo Araújo, professor de finanças da Fundação Getulio Vargas (FGV).
 
PASSO-A-PASSO PARA UM 2010 SEM DÍVIDAS


1. Coloque no papel: renda, dívidas, gastos previstos.
2. Use o 13º e a restituição do IR para quitar dívidas e aproveite para negociar um desconto.
3. Separe o dinheiro para pagar as despesas de início de ano – IPTU, IPVA e matrícula escolar, por exemplo.
4. Se puder, antecipe as compras de final de ano.
5. Se for viajar nas férias, reserve o passeio e comece a pagar com antecedência.

Planejamento
Por causa do Natal, dezembro é um mês que em geral “pesa” no orçamento, mas os gastos de início de ano também não são poucos: IPTU, IPVA, matrícula, material escolar etc. E quem não tem um extra para esses gastos acaba se complicando. Para evitar que isso aconteça, a dica dos especialistas é uma só: planejamento.


O primeiro passo é tirar as finanças da UTI. Se este for seu caso, o 13º e a restituição do Imposto de Renda vêm a calhar. “Para quem tem dívidas a vencer convém aproveitar para procurar entrar no próximo ano sem elas ou com dívidas pequenas. Apesar dos juros terem caído, não é situação confortável carregar isso”, diz Wilson Toshiro Nakamura, professor de administração e ciências contábeis da Universidade Mackenzie.

Coloque tudo no papel: a renda, as dívidas e os gastos previstos. “Tem que fazer um orçamento de gastos obrigatórios, as despesas fixas que em geral ocorrem no início de cada ano. Depois de verificadas essas despesas é que se vai verificar se há sobra de caixa para fazer despesas supérfluas, como viagens”, ensina Araújo, da FGV.


“O ideal é manter uma reserva para pagar esses impostos e analisar se vale a pena pagar de forma antecipada, e não parcelar. Porque normalmente o desconto é convidativo”, diz Nakamura.
Para quem já estiver com o caixa saudável, dá para aproveitar o pouco tempo até o final do ano e fazer alguma economia, de acordo o professor do Mackenzie: “Estamos em outubro ainda. Vale aproveitar, porque os preços tendem a subir mais para frente, e antecipar as compras de Natal e talvez o presente pra si próprio. As pessoas costumam esperar o fim do ano pra comprar uma TV, uma geladeira. Mas agora dá para negociar um desconto melhor."

O mesmo expediente vale para as viagens de fim de ano. “Se tem um caixa tranquilo, dá para adiantar. Porque se você fizer uma reserva antecipada e pagar parcelado, você viaja já sem a maior parte da dívida. Se puder pagar à vista e com desconto, é interessante também”, aconselha o professor da FGV.


-----------------------------------------------------------
Apoio:



Alcançamos 10 mil visitas

Hoje dia 2/09/2009 o Blog Colunas de Hércules alcançou o número de 10 mil visitas.

Obrigado a todos que frequentam e comentam no blog.
Falando um pouco mais sobre o Blog Colunas de Hércules

Muitas pessoas reproduzem ou utilizam as nossas matérias em trabalhos escolares e profissionais.
O conteúdo do Colunas de Hércules é de livre reprodução:

Para recebê-lo por e-mail você pode assinar o blog gratuitamente através do GadGet:
Para Assinar o Blog Digite seu E-mail:


Colunas de Hércules
Para localizar algum post ou procurar histórias das emrpesas, você pode acessar através de nossas marcadores ou então da pesquisa personalizada google, que só será buscada em conteúdos do Blog:


O cionteúdo do Blog é registrado e protegido pelas leis nacionais, mas é autorizada sua reprodução pelo autor, desde que seja dados os devidos créditos e o conteúdo não seja muito alterado, para saber mais clique no selo abaixo:

Creative Commons License
Colunas de Hércules by Adriano Pelegrini Monteiro is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

Você pode conversar diretamente com o autor dos posts em horário aleatórios, sobre qualquer assnto envolvendo o blog e seus temas relacionados ao mundo dos negócios.
Quando o Status estiver apontando online o chat estará liberado




Temos uma Versão em Inglês do Blog no endereço: www.columnsofheracles.blogspot.com

EsseS GadGets indicam o número de visitantes por país, o número total de visitantes e o número de pessoas online no momento.

free counters













Bom, obrigado pelas visitas!

Continuem lendo o Colunas de Hércules... e não esqueçam de comentar...


-----------------------------------------------------------
Apoio:



TOP 10 POSTAGENS MAIS LIDAS

Receba nossos artigos por e-mail:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More